Notícias

A IMPORTÂNCIA DA CARNE NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL
Ruminantes nº 26

Um estudo de nível nacional levado a cabo no Canadá concluiu recentemente que 70% das mães desconhecem que as necessidades diárias de ferro dos bebés entre os seis e os doze meses de idade é de 11 mg, valor cerca de 40% mais elevado do que as necessidades de um homem adulto. O estudo pretendia elucidar os pais no que toca à inclusão de comidas ricas em ferro – como a carne – na alimentação das crianças. As mães canadenses parecem recorrer a diversas fontes de informação no que toca à alimentação dos seus bebés, como opiniões médicas, revistas, recursos online e familiares, deparando-se com informação por vezes confusa e contraditória.
A Health Canada, agência governamental de saúde do país, lançara já em 2012 um conjunto de diretrizes no que toca a este assunto, as quais indicam que devem ser fornecidas às crianças de seis meses de idade carnes vermelhas e brancas, bem como peixe, duas ou mais vezes por dia, todos os dias. Apesar de o ferro estar presente em grande quantidade em outros alimentos que não a carne, esta fornece uma molécula do mineral mais facilmente absorvível pelo organismo, ao mesmo tempo que facilita a absorção de ferro de outras fontes como os vegetais verdes, pão e cereais. Segundo o estudo acima citado, este facto era desconhecido por mais de 50% das mães.
Os resultados do estudo foram publicados quase em simultâneo com a ocorrência da World Iron Awareness Week, uma iniciativa da neozelandesa Beef + Lamb, responsável pela promoção do consumo da carne de vaca e borrego no país, e na qual se discutiu a importância da inclusão de níveis adequados de ferro na dieta humana.